• Matheus Simplício

Bondade, Misericórdia e Devaneios



A parte ruim de fazer boas obras é você achar que é bom. E os sintomas se agravam: você começa a se achar importante.


Pronto, o jantar está servido e seu ego vai comer tudo sozinho.


Ora, eu me considerava um feitor de boas obras, e por isso, queria dar-te alguns versos; não por ser sábio, mas por ter experienciado alguns desses momentos de "olhem como sou bom" (risos de nervosismo).


Entenda, achar-se bom é um caminho sem volta. As comparações com os outros começam a aparecer, e aqui, você sempre será o melhor.


Então, inconsciente, você começa a elevar-se ao nível de “rei santíssimo da bondade humana”. E aqui levantamos uma questão: se me achar bom é perigoso, o que pensar das minhas boas obras em relação a maldade dos outros?


Lembre da misericórdia.


Não da sua misericórdia a respeito deles, mas da misericórdia que existe sobre você que, fez com que você, não fosse o mau da comparação.


É a misericórdia de Deus que impede você de ser o mau da história.

Mas existe uma outra forma de nos livrarmos da coroa da "santíssima bondade humana."


É um pouco mais técnica do que a primeira; mas bem mais dolorosa...


Passo 1: desligue seu celular por um dia inteiro.


Passo 2: ligue seu celular após as 24 horas, e verifique as mensagens e ligações.


Feito!


Você irá perceber que as pessoas não são tão dependentes assim da sua "santíssima bondade humana."


Não deixe de fazer suas boas obras, o mundo precisa delas.


O que o mundo não precisa, são de pessoas que divorciam a bondade da misericórdia.


Misericórdia sem bondade é pena. Bondade sem misericórdia é autopromoção.

©2019 by Escrito a pena.