• Matheus Simplício

Invasão Zumbi, de Yeon Sang-ho

Atualizado: Abr 21



Assisti muitos filmes nesse começo do ano, de vários gêneros diferentes. Mas quem diria que os meus favoritos até aqui, ou os que mais mexeram comigo, foram do cinema coreano e, diga-se de passagem, que cinema envolvente! - desconhecido, mas muito envolvente.


Numa sexta à noite, dia oficial do cinema aqui em casa, decidimos assistir Invasão Zumbi, filme que foi lembrado por quase todos os críticos que sigo como um dos melhores do gênero. Conferimos.


Nessa narrativa, os zumbis são a principais ameaças dos humanos (claro), mas estão longe de serem a única. O personagem principal, um empresário rico e egocêntrico, leva a sua filha, de trem, para passar o aniversário com sua ex-esposa. Mas o clichê acontece: os zumbis já estão fazendo um estrago na cidade. E precisou de apenas uma pessoa infectada para o caos se instalar naquele trem (claustrofóbico).


Mortos x Vivos


Por se passar em um trem, os conflitos acontecem dentro de vagões, ou seja, para sobreviver, é preciso atravessá-los. E quem poderia abrir os vagões para aqueles que estão fugindo dos zumbis? As pessoas; mas algumas dessas pessoas não abrem. Os zumbis não são as únicas ameaças.


Chega um momento em que você esquece que se trata de um filme de zumbi, pois a sua indignação, é com aqueles que fazem de tudo para não se machucarem, inclusive machucar o próximo. Numa determinada cena, o protagonista (sério, o protagonista) fecha um dos vagões para que um casal, cuja mulher estava grávida, não entrasse. A podridão dos atos conscientes dos vivos inibe a violência inconsciente dos mortos.


A Regeneração Moral dos Vivos


Se o nosso protagonista se mostrou um tremendo egoísta, sua filha, em contrapartida, é um amor. Ela se interessa pelas pessoas, tenta fazer o que pode para ajudar, inclusive, é ela quem pede para que seu pai abra a porta do vagão para aquele casal (da mulher grávida).


A compaixão, e algumas escolhas de sua filha, faz o nosso protagonista refletir o quanto ele está sendo mesquinho e individualista. Esse seria o seu processo de regeneração.


Mas se acalme, existem pessoas muito piores que ele. Um deles, por exemplo, é um homem rico e influente, que faz a cabeça dos funcionários do trem para que haja um "vagão para classe alta", feita para aqueles que "merecem sobreviver, mais do que os outros".


Ao estar diante desse homem, o pai da menina discute, tenta convencê-lo de que existem muitas pessoas que precisam de ajuda, que precisam entrar naquele tal vagão. E sua revolta com aquele homem seletivo só acaba quando ele percebe que é mais parecido com ele do que pensa. Na verdade, ele seria aquele homem, se não se relacionasse com pessoas boas que pensam no próximo.


"O Último Vagão"


Invasão Zumbi é diferente por nos fazer pensar sobre a vida em sociedade, ou como nos tornamos egoístas por querer vencer ou conquistar algo a qualquer custo.


É claro que zumbis não existem. É extremamente difícil dizer como nos comportaríamos numa situação dessas. Mas, se pergunte: é preciso pensar em um apocalipse zumbi para ajudar o próximo?


Assista ao filme, vale a pena.



Você já conhece o meu livro? Acesse esse livro para adquiri-lo!



©2019 by Escrito a pena.